Boiadeiros

A falange dos Boiadeiros surgiu através dos Caboclos de Couro, em especial o Caboclo Boiadeiro. Desta forma, também é comandada por Oxóssi e amparada por Ogum, devido aos trabalhadores da falange serem exímios laçares de demanda e kiumbas.

A falange é formada por espíritos de homens e mulheres simples que quando encarnados, viveram nos mais distintos lugares (Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso, no sertão nordestino etc.) lidavam com a terra, com o trato de animais, carreando boiadas. O símbolo dos boiadeiros é o laço e o chicote, também
sendo usado por esses enviados bolhadeiras, facas, facões, chapéus, lenços encarnados, pedaço de couro, ferraduras,
chifre de boi etc.

O ponto de força dos boiadeiros é a campina, a porteira, o pasto, o sertão. A cor atribuída a linha é verde, vermelho e branco, uma conjugação entre os Orixás Oxóssi e Ogum, podendo haver variações de acordo com o Orixá que liberou o Boiadeiro.

Bebida: cachaça, cerveja, vinho etc.
Oferendas: carne seca com abobora, canjiquinha, linguiça, couve, mocotó, feijão tropeiro.
Saudação: Chetruá Boiadeiro = Salve aquele que tem o braço forte!
Dia da semana: Segunda-Feira, Terça-Feira ou Quinta-Feira.
Erva: As mesmas atribuídas a Oxóssi.
Nomes: João Mineiro, Tonho Mineiro, Xico Mineiro, Zé do Laço, Maria Laçadeira, Zéfa Mineira, Zé Carreiro, Boiadeiro da Campina, 7 Laços, Zé Lourenço, Boiadeiro da Jurema etc.